Resenha: Geekerela

Hora da Leitura 0 Comments


Quando Elle Wittimer, nerd de carteirinha, descobre que sua série favorita vai ganhar uma refilmagem hollywoodiana, ela fica dividida. Antes de seu pai morrer, ele transmitiu à filha sua paixão pelo clássico de ficção científica, e agora ela não quer que suas lembranças sejam arruinadas por astros pop e fãs que nunca tinham ouvido falar da série. Mas a produção do filme anunciou um concurso de cosplay numa famosa convenção valendo um convite para um baile com o ator principal, e Elle não consegue resistir. Na Abóbora Mágica, o food truck vegano onde trabalha, ela encontra a ajuda de uma amiga cheia de talentos para moda que vai criar o traje perfeito para a ocasião. Afinal, o concurso é a chance de Elle se livrar das tarefas domésticas impostas pela terrível madrasta e das irmãs postiças malvadas.Já Darien Freeman, o astro adolescente escalado para ser o protagonista do filme, não está nada ansioso para o evento, embora o papel seja seu grande sonho. Visto como só mais um rostinho bonito, o próprio Darien também está começando a achar que se tornou uma farsa. Até que, no baile, ele conhece uma menina que vai provar o contrário.Esta releitura de Cinderela transporta para o universo nerd os principais elementos do clássico conto de fadas, fazendo uma verdadeira homenagem a todos aqueles que sabem o que é ser fã e se dedicar de coração àquilo que amam. 
Eu ouvi um couro de aleluia? Pois é, após o que parece ser séculos e séculos sem conseguir terminar um livro, finalmente terminei um no que foram menos de dois dias lendo. Recorde? Com certeza!!
Claro que não pude demorar e vim correndo fazer uma resenha com esse livro que - ao menos espero - me resgatou da maior ressaca literária de todas.

O livro, como nome já diz, é um reconto da Cinderela e traz nossa protagonista Danielle (Elle), que é a maior fã de todos os tempos de um seriado antigo de ficção científica chamado Starfield. Elle cresceu assistindo esse seriado com seu pai e quando ele faleceu foi a unica coisa que sobrou dele, já que sua madrasta jogou todo o resto fora. Quando ela descobre que um "remake" do seu tão amado seriado está para ser feito, Elle, como uma boa fã que é, fica aterrorizada com a possibilidade do remake destruir tudo que ela ama. Ainda mais quando o astro protagonista vai ser Darien Freeman, o novo ator queridinhos de todos os adolescentes.
E falando em Darien, o livro nos traz também o ponto de visto do ator teen que, apesar de ter que apresentar um papel superficial na frente das telas, é um garoto tímido, fofo e apaixonado pela mesma série de ficção científica que agora ele terá que atuar. 



"Ah, é? Vamos ver o que você vai errar, Darien Freeman. Cruzo os braços e me acomodo na poltrona. Na tela, Darien se posiciona na plataforma de madeira acima do tanque de água, coloca os óculos de natação e ergue o polegar."
(Geekerela, p. 27)

Geekerela não apresenta nenhum tipo de enrolação, talvez por ser um livro curto, mas está sempre acontecendo algo para o desenvolvimento da estória. Logo nos primeiros capítulos - na verdade, ponto de vista, porque o livro é dividido por partes e por Elle e Darien -, temos o que faz tudo começar: Darien descobre que precisa participar de uma convenção de Starfiel e ele, como um grande fã, não quer estar lá para trabalhar, se fosse para estar lá,  gostaria de estar como fã. Então, sozinho, vai tentar entrar em contato com os organizadores para cancelar sua presença. É quando ele encontra o número do criador da convenção que, por acaso, é ninguém mais ninguém menos que o pai de Elle. E assim, duas pessoas solitárias sua própria maneira, começam a trocar mensagens pelo celular. 


"— Este é o número certo? Da ExcelsiCon? 

11h42
— Não.
— Mas posso oferecer um chimichanga vegano que é coisa de outro mundo. 

Desconhecido 11h42
— Uma proposta galáctica! Talvez outra hora.
— Você sabe com quem tenho que falar?"

Estava querendo ler esse livro algum tempo, mas tinha um grande receio pelo fato dele ser outro conto da Cinderela. O que poderia ter de diferente dos milhões que já existiam? Devo admitir que estou bastante contente de ter esperado até agora porque o li exatamente na hora certa.
O livro traz sim, todos os grandes fatores que faz o conto de Cinderela tem e você facilmente consegue pegar tudo no ar ao ponto de ficar tensa com algo que nem aconteceu porque sabe o que vai acontecer. Mas ainda assim, o livro conseguiu se manter original e verdadeiro ao que estava nos apresentando.


"— Então, sabe a sua pergunta de ontem…— Para onde VOCÊ iria?— Em qualquer lugar e em qualquer momento da história da sua vida?"

Acho que o grande fator do livro foi o fandom. Se você faz ou já fez parte de algum fandom, sabe como é aquele amor, aquela fervura, fazer parte de algo que todos lá dentro vão entender exatamente como você se sente. Geekerela traz essa mágica de forma bastante realista e você não julga Elle quando ela defende os personagens como se eles tivessem vida própria ou trata o universo como se fosse algo que existe em algum lugar. Você entende o que ela quer dizer e esse entender facilita bastante a leitura do livro e o seu "ódio" não explicado pelo novo ator do remake, afinal, quando você ama algo tanto assim quer o melhor para ele e, até então, Darien só parecia mais um ator teen.


"Alguns contrarregras começam a apontar para a multidão, rindo.
— Uau. — Jessica balança a cabeça. — Vendo isso eu até agradeço por não ter aceitado aquele papel em Vampire diaries.
Sei. Porque ela é uma atriz de verdade, e eu sou só o cara do seriado brega.
— São só fãs — respondo. — Você nunca foi fanática por nenhum artista?"

Vamos falar de personagens, principalmente Elle e Darien.
Darien é maravilhoso. Ponto. Acho que ele foi trabalhado muito bem, porque tinha um pouco de medo desse lance "astro de cinema" e todo o resto. E realmente não queria ler mais um bad boy que conhece uma garota e mostra seu verdadeiro eu...  Aqui é quase ao contrário. Em frente as câmeras Darien tem que se portar de forma relaxada e calma, nada do que ele é, o garoto é extremamente inseguro e talvez até um pouco covarde. Além de ser bastante sozinho no qual seus únicos amigos são sua assistente pessoal, Gail, e seu segurança, Lonny. O peso que ele sentia como fã e também como profissional de querer fazer um bom trabalho era enorme e não ajudava com seu empresário/pai fazendo todas as escolhas por ele.
E em contraponto, temos Elle, que é a típica Cinderela que conhecemos: vive com sua madrasta controladora e suas duas meia irmãs que praticamente odeiam elas. Mas o que deu originalidade à essa Elle foi seu espirito de fã, sua vontade de fazer algo dar certo daquilo que seus pais tanto amavam, a forma como ela tenta viver após todos os seus traumas do passado e que, apesar de tudo, mantinha seu espirito vivo através de Starfield. 



"Tem tanta gente! E não só gente, tem também vulcanos, nox, turians e lordes Sith. E também Groots, X-Men, vários Jon Snows e Marty McFlys, algumas princesas da Disney. Nathan Drakes e Indiana Jones.
Além de personagens de DOTA 2 e de League of Legends, browncoats, com seus casacos marrons, andam entre heróis com capas e alunos de Hogwarts. Vejo algumas Sailor Moons, trekkers e cosplayers de outros seriados de ficção científica. E, no meio de todos aqueles fãs, com suas roupas de um azul-marinho perfeito — símbolo da minha amada Federação —, estão os pistoleiros estelares."

Falando em personagens, todos os personagens desse livro foram bem escritos. Desde uma madrasta detestável para uma meia irmã chamada Chloe horrenda, até uma chamada Calliope não tão horrenda assim que surpreende a todos nós. Temos também o guarda costas calado de Darien e sua assistente desastrada que às vezes me dava vontade de sacudir pelos cabelos... E principalmente a amiga de Elle, Hera. Meu Deus. Hera é aquela tipica melhor amiga de protagonista de livros, só que ao mesmo tempo não, com uma personalidade tão forte e dando tapas na cara de Elle foi divertido demais ver a relação das duas sendo construída. 


"— Agora vamos logo para a convenção, tá bom? Estamos perdendo tempo aqui paradas.
— Mas como vamos chegar lá? O ônibus já foi, e...
— Vamos na Abóbora."

Se tem algo que eu mudaria no livro, é o fato de que Elle e Darien não tem cenas o bastante dividindo o mesmo espaço e gostaria de ter visto mais dos dois juntos e suas interações pessoalmente. Apesar de entender o porquê o romance deles foi desenvolvido através de mensagens de celular e uma conexão por algo que ambos amam, senti falta de mais cenas deles juntos. O que não deixa de ser um livro perfeito de todas as formas.

Geekerela era tudo que eu estava pedindo em um livro e não sabia. Apesar de ter algumas falhas como eu ver hora ou outra coisas que já aconteceram em vários remakes de Cinderela ou especificamente uma coisa que eu gostaria que houvesse acontecido de outra forma. Geekerela traz aquela alegria, leveza e risadas que você espera de um livro contemporâneo e se você como eu está naquela ressaca literária...
Esse é o livro que está procurando.


“Você não está sozinha, ah’blena. E suas estrelas vão me guiar de volta para casa.”
— Episódio 33, “Um nox para recordar”

Espero que tenham gostado. 
Até a próxima, pessoal ;*

0 comentários:

Olá pessoal! Sejam bem vindos à nossa seção de comentários, a opinião de vocês é de extrema importância para nós e vamos adorar ler cada comentário, mas claro, nunca se esqueçam de que gentileza gera gentileza ♥